Eupátrida

Eu-pátrida. Essa pátria é minha!

Minha terra, minha cidade, minha praia, meu bairro,

Minha rua, minha história, minha luta,

Minha família, minha empregada preta,

Minha cantada escrota, minha Hilux prateada,

Minha viagem pra Paris, meu passaporte diplomático, meu cartão sem limite,

Meu apartamento na Vieira Souto, meu buldogue francês,

Minha carta de vinhos, minha religião, meu Deus branco e barbudo em cima das nuvens dando perdão em troca de dólar,

Minhas ações, meu par de esquis, meus mocassins importados,

Meu convite pra festa no Copacabana Palace,

Meu Maracanã, minha cadeira cativa no jogo do Flamengo,

Meu jet ski, minha camisa da Polo Aramis Roxa,

“O auriverde pendão da minha terra” balançando em meu iate,

Meu orgulho pátrio, meu tucano preferido,

Meu programa de domingo à noite,

Meus funcionários, minha startup, meu hedge fund, interest hate, spending, wealth, stability, anyway,

Meus bailes no canecão, meus diamantes eternos, minha nostalgia do que não vivi.

Meu direito: de odiar, de ser invejado porque eu sou tudo, eu sou fera, eu sou foda, eu sou o que leva esse país pra frente, eu sou a estabilidade, eu sou a tradição, eu sou a personificação da beleza, da saúde e do sucesso, eu sou visto, eu sou lido, eu sou ouvido, eu sou mindfulness, eu sou o orgulho, eu sou a essência, eu sou o herói, eu sou o ídolo, eu sou o formador de opinião, eu sou tudo o que você deseja, tudo o que você sonha, tudo o que te negam, tudo o que te faz suspirar

Eupátrida. Eu-pútrido. Eucarionte. Eu-lírico. Euskera. Eudoxo. Europeu em todo sangue: branco de todos os traços, nobre em todas linhagens, puro, sacrossanto, “impávido colosso”, acima do bem e do mal.

Mas não te queixes do que não és.

Pois quando tu és-perança, eu-camburão;

Quando tu és o voto, eu-mensalão;

Quando tu andas solto, eu-roda-viva!

Quando tu és diretas, eu-TSE

Quando tu és Bastilha, eu sou Brasília.

 

Anúncios

Modiglianesca

modigliani.jpg

Deitada, arfante e nua

a pele em degredo, multiascendente

falha em dominar-se

pulsa.

 

Eu-lírico

beijo-a

e invento palavras

sinestesias

fissuras

Tomado de experiências

fito-a, desfolhar-se

em êxtase;

seduzido;

acuado:

entregue

Passo a desequilíbrios

propenso a ingerências

máximo em tordesilhas

criando linhas para derrubar

sucumbo

Sou dela, em pouso, arco, fel e entendimento.

A boca vermelha

Ah, o canto da boca!

Perder estribeiras, recatos, tonteiras

Beijar os mamilos e inteira

Sorver-te

 

Ah, o peito galopa

Tentado e inseguro, manejo e floreio

Deitar-me no colo, descanso e esteio

Silvestre

 

Ah, a boca silente

Não diz nada, mas mesmo assim se sente

A fuga, a busca, um tanto pungente

De se entregar.

Para ju

Quando ela viu que estava na amurada depois de andar sem rumo por tantas horas, finalmente percebeu os cabelos desgrenhados e as unhas pretas sujas de sangue já coagulado. Olhou para o vazio onde devia estar o oceano e sentiu nas bochechas os respingos salgados das ondas que subiam muito alto na ressaca. Não havia lua, nem estrelas, apenas o frio cortante de uma noite de junho que fazia doer os ossos e tremer os dentes. Ela nada sentia. Olhava perdida para aquele ponto fixo, mas estava longe dali, naquela infância tépida que agora tinha consciência plena que nada teve de especial.

Olhar bravio, tempestade, uma força impávida e agreste, um coração que palpita e dói lotado de cicatrizes e escarras. E, ao cortar o corpo com suas próprias unhas, fazer chorar a carne, fazia mais do que purgar-se das suas dores: era marcar o mundo com o sinal latente de sua sina. Olhou perdida e, assim, finalmente, deixou cair as lágrimas há tanto seguras em seus olhos tristes e vazios.

Sentou-se na amurada, os pés elegantemente pendurados contra o invisível. Deixou cair o sapato, tão alto estava que desapereceu antes que se ouvisse o som dele caindo nas ondas. Deixou o outro, ainda perdida em devaneios, sem nem por breve momento perceber que era ela que caía, que era ela que voava, abraçada e acalentada pela noite escura e pelos berros mágicos que a fizeram voltar a si, no último instante! Era uma criança, e balouçava no remanso. Era criança, e balançava no cadafalso.