Auto-retrato

Sou a mão que balança na noite
Que treme de frio antes do sol
Que te toca com dedos sábios
E te leva a conhecer novos tons

Sou o cheiro que envolve teu corpo
Toma tuas narinas, teu cérebro
Tua vagina, teu gozo, gotas que escorrem
De ti e de mim

Metade e pedaço
Dobro e meio
Página e rodapé
Voando ao vento
Envolvendo-te
Com o som
Grandilo-quente
De meus beijos
A explorar
Cada parte de tua pele

Sou teu sangue, teu gingado
A lágrima fria que treme
Os soluços que soltas sozinha
A faca que corta teus pulsos
O som que ouves no choro:
Teu filho que morreu no colo

Sangue, lábios e falo enrijecido
Tapas, matizes e languidez
Sou a glória, toda a glória
Espantosa, velada e cruel
Criada e espelhada de ti

Anúncios

5 pensamentos sobre “Auto-retrato

  1. Se vc é assim como descrito no poema(denominado, creio que não por acaso, “Auto-retrato”), acho que me apaixonei..rsrsr…Justo eu…que brinco com as letras e desprezo contas!!!… Voltarei sempre… meu beijo inaugural… exato como rimas geométricas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s