Outubro Negro

Muitos dos meus colegas que tinham ido para a escola mostravam os olhos vermelhos de lágrimas. No recreio, Roberta, uma de minhas colegas, escreveu a letra de Faroeste Caboclo no quadro negro, até onde pôde. Depois disso passou a cantar o resto, triste, quando começou a chorar. Foi quando o velho professor de geografia do Brasil chegou. Um sorriso cruel transparecia no seu rosto.

Então. Quer saber mais sobre o dia 11 de outubro de 1996? Visite as Crônicas do Vale da Morte.

Anúncios

Um pensamento sobre “Outubro Negro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s